inês botelho 

início | biografia | bibliografia | imprensa | agenda | caderno | correio

_________________________________________________________________________________________________________________

o passado que seremos | prelúdio | o ceptro de aerzis

 

"Elisa e Alexandre conhecem-se num fim-de-semana no Caramulo. São ambos jovens, pertencem a círculos diferentes, vêem o mundo de perspectivas quase sempre opostas – e, no entanto, parecem incapazes de escapar à atracção que lentamente os envolve. Com avanços e recuos, iniciam então uma relação que não entendem e que questionam. Mas que os marcará para sempre.

Elisa tem medo da lua e de janelas sem cortinas. Pensa de mais e quer entender o mundo nas suas múltiplas facetas. Alexandre, pelo contrário, avança sem grandes reflexões, preocupado em aproveitar cada momento do presente antes que as responsabilidades o amarrem.

 

Romance de iniciação à idade adulta, O Passado Que Seremos dá-nos o(s) retrato(s) de uma geração e dos caminhos onde procura encontrar a “sua” verdade."

 

Plano Nacional de Leitura - Livro recomendado para o Ensino Secundário como sugestão de leitura

também em eBook

 

 

 

Há na voz de cada indivíduo a imensidão de mil histórias. Escrever na primeira pessoa é habitar essa multiplicidade, invadir o outro totalmente. Foi esse o desafio que agarrei, aventurar-me num livro dominado por duas vozes distintas, ainda que mais próximas do que supõem.

Esta é a narração de Elisa e Alexandre, das suas cidades, dos lugares que habitaram, das pessoas que conheceram, das conversas animadas, das alegrias, confusões, desânimos, das certezas que construíram e das que perderam, das consequências do que decidiram e escolheram. Mas é também a história de duas idiossincrasias e memórias, das imagens que as povoam e do imaginário que as informa.

Elisa não pode esquecer a infância ou o maravilhoso, é prisioneira do que aconteceu e vive assombrada por receios antigos, embrenhada tanto em sonho como em pesadelo. Alexandre importa-se pouco com ambos, mas conhece o presente de um modo que Elisa tem dificuldade em perceber ou imitar. Influenciados um pelo o outro, vão avançando enquanto tentam compreender e escapar à corrente. Mais cedo ou mais tarde terão de optar, e isso defini-los-á.

Quando comecei a estruturar esta narrativa, Elisa e Alexandre formavam uma entidade única, contudo depressa se individualizaram. Estava pouco interessada num livro amoroso ou delico-doce; queria-os a eles. E se o enredo se alicerça sobre a sua relação, o romance desenvolve-se sobre eles. É o que vos ofereço: a experiência de serem Elisa e Alexandre.

ler um excerto

comprar na Wook - em papel - em eBook

comprar na Bertrand - em papel - em eBook

comprar na Fnac