inês botelho 

início | biografia | bibliografia | imprensa | agenda | caderno | correio

_________________________________________________________________________________________________________________

.

 

 

 

Nasci a 3 de Agosto de 1986, segundo dizem depois de uma manhã tempestuosa.

Comecei a estudar música cedo, algures entre os cinco e os seis anos. Passei por diversas escolas até que em 1996 ingressei na Academia de Música de Vilar do Paraíso, onde, anos mais tarde, completei o 8º grau de Piano e Formação Musical. Foram anos inesquecíveis por muitos motivos.

O fascínio que nutro pela representação levou-me a integrar o Grupo Juvenil de Teatro do Sporting Clube Candalense entre 1995 e 1997. Pelo mesmo motivo, e também devido a um interesse sôfrego pela Sétima Arte, em 2001 participei num dos workshops organizados pela associação Os Filhos de Lumiére. Esta é uma paixão que ainda acalento. Recuso-me, até com certa teimosia, a abandoná-la. Talvez um dia a possa desenvolver.

Devo à minha professora de português do secundário – Maria Luísa Pinto – o estímulo à escrita que me permitiu ter a coragem e a ousadia de me aventurar na criação de histórias próprias. Assim, nas férias grandes de 2002, entre o meu 10º e 11º anos, um pouco por não ter nada mais estimulante para fazer e porque a ideia para a trilogia O Ceptro de Aerzis já me assaltava há algum tempo, decidi passar a papel aquilo que viria a ser A Filha dos Mundos.

Sucederam-se A Senhora da Noite e das Brumas e A Rainha das Terras da Luz, respectivamente nas férias de 2003 e de 2004. Todos os livros foram publicados pelas Edições Gailivro um ano depois de terem sido escritos e republicados mais tarde em edição de bolso pela 11x17 entre 2012 e 2013.

A convite da Épica – Associação Portuguesa do Fantástico nas Artes, participei na palestra O Fantástico no Feminino, realizada em Outubro de 2005, e no Fórum Fantástico 2005 que decorreu em Novembro desse ano.

Durante as férias de Verão de 2006 dediquei-me a escrever Prelúdio, um trabalho manifestamente diferente da trilogia mas igualmente gratificante, editado em 2007 pelas Edições Gailivro.

Em Novembro desse ano, de novo a convite da Épica, apresentei e conduzi uma conversa com o autor W. J. Maryson integrada no Fórum Fantástico 2007.

No primeiro semestre de 2008 realizei por fim um objectivo antigo ao integrar o Programa de Mobilidade Erasmus. Milão não será a capital dos meus sonhos, nem a cidade em que gostaria de viver, porém foi a minha casa por alguns meses, serviu de cenário a inúmeras experiências e uma certa nostalgia é inevitável. Não posso repetir os instantes, mas espero não perder as pessoas.

Licenciei-me em Biologia em 2008 pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Permaneço fascinada por esta ciência, pelas suas muitas áreas e ramificações, no entanto foi à literatura que decidi dedicar-me. Nesse sentido, aventurei-me pelo Mestrado em Estudos Anglo-Americanos da Faculdade de Letras da Universidade do Porto que concluí em 2013. Com esta experiência em tudo diferente e desafiadora não só descobri a literatura por novos ângulos de abordagem como ganhei uma outra área de trabalho que me permite investigar sobre alguns dos meus temas favoritos: utopias, distopias, modernismo, contos populares e contos de fadas.

Entre meados de 2008 e o início de 2009 embrenhei-me nas múltiplas verdades de O passado que seremos, publicado em Janeiro de 2010 pela Porto Editora e lançado em Fevereiro do mesmo ano na décima primeira edição das Correntes D’Escritas.

Vários projectos estão em curso, uns mais secretos do que outros. Há um tempo e um momento para cada um.